Neusa Venditte – 2013

Report
ENRIQUECIMENTO CURRICULAR
É de grande importância a estruturação de serviços
diferenciados que atendam os alunos com altas habilidades,
valorizando e respeitando seus talentos, aptidões e
habilidades.
Pela proposta da educação inclusiva é o sistema educativo
que deve se modificar frente às diferenças de todos os
alunos, diversificando os serviços oferecidos, transformando
as concepções de ensino e aprendizagem, as técnicas de
avaliação, as regras no funcionamento institucional, assim
como, no que diz respeito às condições de acessibilidade e
as possibilidades de produção de saberes.
Nesse contexto é que surge a
necessidade de pessoas que além de
identificar e atender o aluno com altas
habilidades/superdotação
sirva
de
apoio à escola para melhor suprir as
necessidades especiais desses alunos.
O aluno que possui altas habilidades
necessita
receber
um
atendimento
especializado
e
específico
às
suas
necessidades educacionais especiais de
forma
a
estimular
e
favorecer
o
desenvolvimento de suas potencialidades.
Nosso objetivo é garantir o direito que esses
alunos possuem de desenvolver da melhor
forma possível suas capacidades.
Ocorre que apesar do direito ao atendimento
especial garantido pela Lei, na prática muito
pouco tem sido feito para atender esses
alunos, e seus direitos não tem sido
assegurados, revelando um descaso com um
ensino de qualidade que atenda as
individualidades de cada um.
NECESSIDADES URGENTES
•Levantamento de informações e identificação das
necessidades dos alunos por uma equipe técnica
multidisciplinar composta de Psicólogas, Pedagogas,
Professoras e Psicopedagoga que faça uma avaliação e
identificação das áreas fortes de desenvolvimento de
cada aluno e também de suas dificuldades e defasagens.
•Processo de avaliação psicológica e pedagógica com
visitas à escola e entrevista com os professores,
coordenadores e com a família, e outras informações,
períodos de observação do aluno no contexto escolar,
momentos em que a qualidade de seu interesse e suas
produções são consideradas e analisadas.
Tais informações tornam-se as referências essenciais para
aos professores nas estratégias de intervenção e
relacionamento com o aluno superdotado.
As informações decorrentes do processo avaliativo, são
sistematizadas em relatórios que apontam as habilidades
especiais do aluno, descrevem sua potencialidade e são
apresentados como devolutiva à escola.
A família necessita ser orientada para realizar um
acompanhamento completo da criança.
Fazer a ponte entre a escola e a família é, portanto, um dos
pontos relevantes, sobretudo pelo acréscimo de resultados
positivos que a aproximação entre escola e família
proporciona.
Características dos alunos superdotados:
Perfeccionismo: essa característica precisa ser respeitada,
bem como o aluno precisa ser orientado a usá-la de forma
produtiva.
Perceptividade: habilidade de raciocínio excepcional, os
alunos encontram novas formas de abordar um problema e
chegam a diferentes soluções e devem ser estimulados pelo
professor a colocarem em prática suas idéias.
Necessidade de Entender: comportamento investigativo,
curiosidade desde pequenos que deve ser satisfeita com
dinâmicas que os levem a se sentir como sujeitos que
realizam pesquisas, experiências que ele próprio construiu.
Necessidade de Estimulação Mental: O aluno necessita de
estímulos mentais constantes.
O professor pode diferenciar o currículo para que estes alunos
não percam o gosto pela escola; pode utilizar recursos como
aceleração de série, projetos independentes, cursos
avançados, oportunidades de enriquecimento escolar, e
outras formas de acompanhamento para manter a criança
estimulada e desafiada em sala de aula.
Necessidade de Precisão e Exatidão: a habilidade de
perceber múltiplas relações entre idéias, objetos e
percepções, assim como a capacidade para argumentação
tornam difícil o processo de tomada de decisão.
É nas relações sociais que se deve buscar a solução e a decisão
de quais caminhos deverão ser seguidos.
Senso de Humor: muitas vezes os alunos exageram os aspectos
cômicos dos eventos. Cabe aos professores utilizar o humor como
aspecto terapêutico, promovendo o relaxamento, facilitando as
relações sociais, a auto-expressão e a auto-realização.
Sensibilidade/Empatia: uma criança extremamente sensível à
crítica, que se sente magoada com facilidade, muitas vezes não tem
consciência dos sentimentos dos outros.
O professor pode trabalhar com atividades em grupos e dinâmicas
que vivenciem sentimentos do outro.
Intensidade: paixão por aprender, perguntas intermináveis,
apreendendo uma grande quantidade de material.
É necessário que o ambiente de aprendizagem possa ser revisto e
reformulado, de forma a se tornar mais responsivo para o aluno.
Perseverança: relaciona-se com seu grande poder de
concentração nas atividades que realmente prendam seu
interesse.
É necessário que o professor dê apoio aos alunos para que
mantenham suas metas, encorajando-os quando se sentem
frustrados ou chegam a um impasse no seu progresso.
Autoconsciência: são capazes de separar as coisas na mente e
ver todas as formas intrincadas pelas quais elas poderiam ser
melhoradas, incluindo a si mesmos.
O professor pode ajudar os alunos a apreciarem-se a si mesmos e
a se conscientizarem de que, muitas vezes, as escolhas que são
feitas em determinadas ocasiões podem ser a única escolha viável
para aquela situação.
Não-Conformidade: precisam de oportunidades para a
expressão criativa; quando essas avenidas de oportunidade são
bloqueadas, percebe-se um desvio para canais autodestrutivos.
Cabe ao professor realizar uma dinâmica interessante e descobrir
fatores para serem trabalhados em maior profundidade.
Questionamento da Autoridade: eles aprendem muito cedo o
significado da frase “isso não é justo”, um agudo senso de justiça
invariavelmente leva ao questionamento das regras e de figuras de
autoridade.
O professor, como também a família precisa levá-los a raciocinar sobre o
conteúdo de sua argumentação, levando em conta o ponto de vista do
bem para a maioria, e não apenas para a si mesmo. Pessoas que
precisam estar certos todo o tempo e ganhar em suas argumentações
têm, em geral, baixa auto-estima, o que precisa ser trabalhado em
conjunção com a família e a escola.
Introversão: os introvertidos freqüentemente aprendem por observação;
sentem-se inconfortáveis com mudanças; são leais a um pequeno grupo
de amigos mais chegados; são capazes de intensa concentração;
detestam ser o centro das atenções; necessitam privacidade; e sentem
que suas energias são drenadas pelas pessoas.
É necessário aceitar a introversão como algo
normal, ao invés de tentar fazer o aluno se
transformar em um extrovertido, estas
crianças/jovens não resolvem seus problemas
por meio da verbalização.
Ao buscar ajuda os introvertidos se sentem
melhor ouvindo conselhos e opiniões do outro,
para assim, em um momento posterior,
trabalhar consigo mesmo o que ouviu e
processar esse conteúdo em suas divagações
mentais.
SUGESTÕES DE ATIVIDADE DE ENRIQUECIMENTO EM CLASSES
REGULARES
•
Mentoriais e Monitoriais.
O aluno com altas habilidades ensinará os colegas que, sentem
maior dificuldade, a matéria que já aprendeu. Esta é uma atividade
bem aceita pelo aluno, mas não deve ser usada regularmente e
nem, com todas as crianças, pois o aluno pode perder o interesse e
a estimulação desaparece.
.
Cantinho de que fazeres.
E um lugar reservado dentro da sala de aula para que a criança que
terminou a sua tarefa antes que os colegas, possa realizar
atividades até que alguma coisa diferente ocorra durante a aula.
Dispor em uma mesma mesa materiais: de leitura, artes,
modelagem, construção,Joguinhos, produção literária e outros.
Projetos individuais
São atividades direcionadas às crianças maiores e mais
independentes, capazes de auto-regulação.
O aluno que propõe ao professor o projeto, cabendo ao professor a
aprovação, a orientação, o acompanhamento e a ajuda para avaliar os
resultados.
Após a conclusão dos trabalhos, o aluno apresenta seu projeto ao
colega e as pessoas envolvidas no processo educacional.
EXPLORANDO MINHAS HABILIDADES
Nesta coluna, liste tudo o que você sabe fazer muito bem.
Nesta coluna, liste tudo o que você sabe que faria bem se tentasse.
Nesta coluna, liste tudo o que você gostaria de aprender a fazer muito
bem.
•
•Eu, eu mesmo e minha foto.
Para o professor:
Peça a cada aluno para trazer uma foto atual para a sala de aula. Coloque os
alunos em círculo. Distribua a cada um uma folha de papel almaço (dupla).
Peça aos alunos para colar ou fixar com um clips sua foto na página de rosto do
papel almaço e escrever seu nome em letras bem destacadas.
Peça para não escreverem nada no verso da primeira folha.
Na segunda folha do papel almaço, peça a eles para listarem 5 atividades que
mais gostam de fazer, deixando um espaço entre cada uma (por exemplo,
pulando dez linhas entre uma atividade e outra). Quando todos tiverem
terminado, repassem a folha para o colega da direita, que vai escrever alguma
coisa positiva para o colega; conte três minutos e peça para repassarem
novamente, repetindo o procedimento com o novo colega; e continuam a
repassar, sempre ao seu sinal, até que a pessoa volte a receber sua própria ficha,
agora acrescida de recadinhos dos seus colegas (se precisar usem o verso da
folha ou acrescente novas folhas).
Para o aluno:
Escreva um recadinho legal para seu colega na folha que você
acabou de receber (onde tem o retrato dele/dela).
Se não houver nada de legal para escrever para ele/ela, passe
adiante (nunca escreva nada para criticar ou rebaixar o outro).
Agora leia, na outra página, as atividades que ele/ela gosta de
fazer.
Se você gosta das mesmas coisas, escreva seu nome na frente
dessa atividade (assim ele saberá que vocês compartilham do
mesmo interesse). Se você não gosta de nada, deixe em branco.
Mapa de interesses
Nome: ____________________
Três palavras que parecem comigo são:
Quando não estou na escola eu gosto de:
Eu gostaria de aprender mais sobre:
Gosto de pessoas que:
Aprender é divertido quando:
Eu gostaria de ser elogiado por:
Às vezes fico preocupado com:
Eu sei que sou:
Eu gostaria de ser:
Sinto-me desafiado quando:
Fico muito feliz quando:
O que eu faço melhor é:
Eu gosto de brincar de:
Penso muito em:
Aprendo melhor quando:
Às vezes tenho vontade de:
Eu não gosto de:
Algum dia eu gostaria de
AGRUPAMENTOS POR INTERESSE & ENRIQUECIMENTO CURRICULAR
O agrupamento por interesse e habilidade é uma modalidade na formação de grupos
de alunos com altas habilidades.
Neste contexto, a proposta de enriquecimento curricular é efetivada mediante
pequenos grupos que desenvolvem projetos e oficinas, a partir da identificação dos
interesses reais e potenciais dos alunos, em parceria com especialistas da área - que
podem tanto ser professor, pai/mãe ou pessoa da comunidade – e com instituições de
ensino superior.
Cabe destacar a importância da parceria com a universidade para atender as diversas e
diferentes demandas dos alunos
Todos os alunos da Sala de Recursos são convidados a participar de uma variedade de
atividades tais como: contação de histórias, palestras nas diversas áreas, minicursos,
oficinas, eventos e festas da comunidade, visitas a museus e exposições, teatro, dentre
outras. Estas atividades enriquecem o amplo leque de oportunidades aos alunos para
que tenham contato com diversas áreas do conhecimento além de subsidiar os
regentes da Sala de Recursos na formação de pequenos grupos para potencializar os
interesses demonstrados nas atividades exploratórias propostas.

similar documents