1866942135fb4bbb5e7403ca9cf325b5

Report
Unesp – Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita
Filho’
Cursinho Vitoriano – Redação
Data: 20/04/2013
Aula 3
Tipos de composição textual
(Descrição, narração e dissertação)
São José do Rio Preto - SP
Descrição
• O texto descritivo é como uma fotografia por meio de
palavras;
• Descrever é caracterizar alguém, alguma coisa ou algum
lugar através de características que particularizem o
caracterizado em relação aos outros seres da sua espécie =
as características são elementos de distinção no texto
descritivo;
• Verbos mais comuns: verbos de ligação (ser, estar,
permanecer, ficar, continuar, ter, parecer, etc.), pois esses
tipos de verbos ligam as características - representadas
linguisticamente pelos adjetivos - aos seres caracterizados representados pelos substantivos.
Exemplos:
1) Pedro é lindo.
Sujeito V.L. Predicativo do Sujeito
(subst.)
(adjetivo)
2) O carro está velho.
Sujeito V.L. Predicativo do Sujeito
(subst.)
(adjetivo)
Descrição objetiva
• Faz uso de informações concretas e dados precisos;
• Busca maior proximidade com a realidade;
• Não se preocupa com o ponto de vista / olhar do
observador;
• A descrição objetiva preocupa-se com a exatidão dos
detalhes e com a precisão dos vocábulos.
Exemplo: “Mônica tem 1,65 de altura e 50
kg. Branca, olhos claros, cabelos castanhos, compridos
e lisos.” = objetividade
Descrição objetiva
Exemplo 2:
•
•
•
•
•
•
•
•
Info business way
O mais silencioso do mercado (frase subjetiva)
Processador intel 2.40 GHz
Microsoft Windows XP Home
Leitor de cartões SD, MMC, SM e PCMCIA integrado
128 MB de memória
CD-ROM
Vídeo/fax
Rede local integrada
Norton Antivírus
Descrição objetiva
Exemplo 3:
Paulo está pálido. = não passa pela interpretação
e avaliação do observador
A subjetiva apresenta-se no seguinte caso:
Paulo está pálido (caracterização objetiva), mas
lindo! (caracterização subjetiva).
Descrição subjetiva
• É feita com base no olhar / ponto de vista daquele que
descreve e, assim, pode variar de um observador para
outro;
• O observador expõe sua visão em relação ao elemento
que é descrito;
• “O objeto é transfigurado conforme a sensibilidade do
observador, ou seja, o objeto é descrito da forma como
ele é visto e sentido. O observador transmite para a
descrição a sua emoção em relação ao objeto.”;
• Na descrição subjetiva, não há preocupação com a
exatidão dos dados apresentados.
Exemplo:
“Era um rio de águas escuras, mas limpas; não era possível
ver o fundo, mas, em suas margens, uma pessoa adulta podia
entrar com segurança. O rio cortava uma parte da mata, nos
fundos da fazenda, onde as árvores ainda tinham sido
preservadas. Lá, Maria Clara ia se banhar todas as tardes. Sua
beleza somava-se à beleza do lugar, e a energia mágica da
natureza renovava sua juventude e alegria de viver. Maria
Clara tinha a pele macia e cabelos sedosos e perfumados;
seus longos cílios pareciam compactuar com seu jeito
sonhador e esperançoso.
Olhando-a ali, mergulhada naquelas águas, como uma sereia
fagueira, não era possível sequer desconfiar quão forte e
determinada ela tem sido, especialmente nos últimos meses.”
letra vermelha (objetiva)
letra azul (subjetiva)
Exemplo 2:
“O sujeitão, que parecia um carro de boi cruzando com
trem de ferro, já entrou soltando fogo pela folga do dente de
ouro.” (José Cândido de Carvalho)
Enfim...
Descrever, portanto, é usar palavras para
caracterizar, objetiva ou subjetivamente, objetos,
lugares, pessoas, ou aquilo que se desejar.
Narração
• Narrar é contar um fato. Todas as vezes que uma história
é contada, o narrador sempre acaba contando onde,
quando, com quem e como ocorreu o episódio; (leitor –
inferências)
• Uma narração é constituída por:
•
•
•
•
•
Enredo;
Personagens:;
Narrador;
Tempo;
Cenário / lugar/ espaço.
Narração
• Para que uma narração seja bem elaborada é preciso
que haja harmonia entre os elementos narrativos;
• O narrador pode apresentar-se em:
• Primeira pessoa (narrador-personagem);
• Terceira pessoa (narrador-observador). O narradorobservador pode ser onisciente e/ou onipresente.
Narração em primeira pessoa
Felicidade Clandestina
“[...] Na minha ânsia de ler, eu nem notava as
humilhações a que ela me submetia: continuava a
implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia. [...]
Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia
seguinte [...].
LISPECTOR, Clarice. Felicidade
clandestina. Rio de Janeiro:
Rocco, 1998.
Narração em terceira pessoa
“[...] Camilo não acreditava em nada. Por quê? Não
poderia dizê-lo, não possuía um só argumento:
limitava-se a negar tudo. E digo mal, porque negar
é ainda afirmar, e ele não formulava a
incredulidade; diante do mistério, contentou-se em
levantar os ombros, e foi andando.[...]”.
Machado de Assis
Dissertação
• Dissertar é defender um ponto de vista com o
objetivo de convencer o interlocutor.
• Escrever, nessa situação, é persuadir.
• Dissertar é apresentar questionamentos e críticas.
• Redigir uma dissertação é procurar entender e
transformar a realidade.
Partes de um texto dissertativo
• Introdução: consiste na delimitação das questões
que serão abordadas ao longo do texto;
• Desenvolvimento: consiste na apresentação
completa das ideias e dos pontos de vista;
• Conclusão: retomada do que foi discutido ao longo
do texto e avaliação dos assuntos tratados.
Bibliografia
• http://www.mundovestibular.com.br/articles/1262/1/Tecnicasde-Redacao---Narracao-Descricao-eDissertacao/Paacutegina1.html
• http://www.colegioweb.com.br/portugues/descricao-objetivae-subjetiva.html
• http://www.brasilescola.com/redacao/dissertacao.htm

similar documents