Objeto direto preposicionado

Report
Objeto direto
Objeto indireto
Objeto direto preposicionado
TERMOS LIGADOS AO VERBO
OBJETO DIRETO (OD)
 Todos conseguiram boas notas na prova.
VT
OD
É o termo da oração que, sem a presença de
preposição, relaciona-se a um verbo
transitivo direto, completando-lhe o sentido
e servindo de receptor do processo verbal.
Características do objeto
direto
 1. O objeto direto não apresenta preposição.
 Muitos torcedores vaiaram o goleiro.
VT
OD
 2. O objeto direto admite a transformação para a
voz passiva analítica.
 Todos discutiram o acordo. (voz ativa)
VT
OD
o O acordo foi discutido por todos. (voz passiva analítica)
Sujeito
paciente
Locução
verbal
Agente da
passiva
Características do objeto
direto
 3. O objeto direto pode ser substituído pelos
pronomes oblíquos o, a, os, as.
Ninguém conhece o professor.
Ninguém conhece a professora.
Ninguém conhece os professores.
Ninguém conhece as professoras.
Características do objeto
direto
 4. Ocasionalmente, o objeto direto pode vir
precedido de preposição, não exigida
obrigatoriamente pelo verbo. A esse tipo
particular de objeto direto dá-se o nome de
objeto direto preposicionado (ODP).
 O guerreiro sacou da espada.
VTD
 Todos amam a Deus.
VTD
ODP
ODP
Observação
 Muitas vezes, o objeto direto preposicionado
adquire um sentido especial. Observe:
 “Nem você quer mais desses gestos
traiçoeiros...” (Mário de Andrade)
 A preposição “de” indica a opção por uma
parte do todo. Daí se dizer que há noção
partitiva.
Casos em que o uso da preposição antes do
objeto direto pode ocorrer
1.Quando o objeto é um substantivo próprio.
Adoremos a Deus.
VTD
ODP
2. Quando o objeto é representado por um
pronome substantivo indefinido.
O professor elogiou a todos.
VTD ODP
Casos em que o uso da preposição antes do
objeto direto pode ocorrer
3. Para evitar ambiguidade.
Na confusão, beijou o namorado ao pai da moça.
VTD
sujeito
ODP
4. Com o objeto direto anteposto ao verbo.
Ao médico não enganam.
ODP
VTD
Objeto direto pleonástico
 Pleonasmo (do grego
pleonasmós=superabundância) é uma figura de
estilo que consiste na repetição de palavras ou
expressões com o objetivo de reforçar uma ideia.
O seu emprego, em algumas situações, é
considerado vicioso e deve ser evitado.
 No entanto, pode ser usado para realçar uma
ideia já expressa pelo objeto direto.
 O presente, ele recebeu-o no dia de seu aniversário.
OD
VTD OD pleonástico
OBJETO INDIRETO (OI)
 É o termo que completa o sentido do verbo
transitivo indireto, ao qual se liga com o auxílio
de preposição.
 Acreditamos em vidas passadas.
VT
OI
 Precisava muito de dinheiro.
VT
OI
 Ninguém confia mais em você.
VT
OI
Objeto indireto pleonástico
 Para realçar uma ideia já expressa pelo objeto
indireto, este pode aparecer repetidamente
sob a forma de pronome oblíquo átono.
 A mim, nada me interessa.
OI
OIP
VTI
 Que me importa isso a mim?
OIP VTI
OI
Pronomes oblíquos na função de
objeto
 1. Os pronomes oblíquos o, a, os, as funcionam
sempre como objeto direto.
Os amigos certamente o criticarão.
OD VTD
Pronomes oblíquos na função de
objeto
 2. Os pronomes oblíquos lhe, lhes funcionam
sempre como objeto indireto.
Eu lhe entreguei o livro.
OI
VTI
 3. Os outros pronomes oblíquos podem ser
objeto direto ou objeto indireto, dependendo do
verbo ao qual estão relacionados.
Exemplos
 O guarda não me conhece.
OD
VTD
 A proposta me interessava.
OI
VTI
 Entreguei-te o meu coração.
VTDI
OI
OD
 Pegue-nos às 17 horas.
VTD
OD
 O navio enviou-nos sinal.
VTDI
OI
OD
Síntese
 OBJETO DIRETO:
 funciona como destinatário/receptor do





processo verbal;
Completa o sentido de um verbo transitivo
direto;
Normalmente sem preposição.
Pode ser trocado por o, a, os, as.
Admite voz passiva.
EXEMPLO: Muitos viram o acidente.
OD
Síntese
 OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO:
 Vem precedido de preposição, não exigida
obrigatoriamente pelo verbo.
 EXEMPLO: O guerreiro sacou da espada.
Síntese
 OBJETO INDIRETO:
 Funciona como destinatário/receptor do




processo verbal;
Completa o sentido de um verbo transitivo
indireto;
Apresenta-se sempre com preposição;
Não admite voz passiva.
EXEMPLO: Todos discordam de você.
OI
Síntese
 OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO
PLEONÁSTICO
 Usado para enfatizar uma ideia contida no
objeto do verbo.
 EXEMPLOS:
 Esses livros, eu os comprei ontem.
 Aos amigos, davam-lhes ainda mais atenção.
COMPLEMENTO NOMINAL (CN)
 Como os verbos, muitos nomes (substantivos,
adjetivos e, mais raramente, advérbios) podem
ter sentido incompleto. E, por essa razão,
precisam de um complemento, um termo que os
torne mais claros: a esse termos damos o nome
de complemento nominal (CN), pois completa o
sentido de um nome.
 O complemento nominal aparece sempre regido
de preposição, mas não deve ser confundido
com o objeto indireto, que é complemento do
verbo.
Exemplo
Nenhuma história consegue ser tão emocionante, surpreendente,
cheia de revelações e reviravoltas, como a que pode acontecer na
esquina de sua casa ou do outro lado do mundo.
________________________________________________________________________
Aos profissionais que escrevem e documentam a nossa história, a
homenagem da Usiminas no Dia da Imprensa.
___________
USIMINAS
• “de revelações e reviravoltas: complemento
nominal ligado ao adjetivo “cheia”;
• “aos profissionais”: complemento nominal ligado
ao substantivo “homenagem”.
Observação 1
 Geralmente, o complemento nominal integra o
sentido de nomes que correspondem a um verbo
transitivo, de mesmo radical.
Verbo transitivo
Nome
odiar os burgueses
gostar da beleza
terminar o trabalho
o ódio aos burgueses
o gosto pela beleza
o término do trabalho
agitar as pessoas
a agitação das pessoas
declarar o medo
caluniar o vizinho
a declaração do medo
a calúnia do vizinho
comover a mãe
a comoção da mãe
Observação 2
 Em geral,o núcleo do complemento nominal




pode ser representado na oração por um
substantivo ou expressão substantivada, uma
oração introduzida por conjunção integrante
(oração subordinada), um pronome ou um
numeral.
“Fabiano tinha a certeza de que não acabaria tão
cedo.” (Graciliano Ramos)
Nossa confiança em você não tem limites.
Ela tem vergonha de si mesma.
“A vida dele era necessária a ambas.”
SÍNTESE – TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO
 Objeto direto: completa o verbo transitivo direto.
Exemplo: Eu fiz os exercícios.
OD
 Objeto direto preposicionado: quando o objeto direto
vier precedido de preposição, não exigida obrigatoriamente
pelo verbo. Exemplo: Eles amam a Deus.
OD preposicionado
 Objeto direto pleonástico: pronome oblíquo usado
para realçar uma ideia já expressa pelo objeto direto. Exemplo:
O presente, ele recebeu-o no dia do seu aniversário.
OD
OD pleonástico
SÍNTESE – TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO
 Objeto indireto:
 completa o sentido de um verbo transitivo indireto;
 apresenta-se sempre com preposição;
 a oração não admite voz passiva.
Exemplo: Gosto muito de você.
OI
 Objeto indireto pleonástico: pronome oblíquo
usado para realçar uma ideia já expressa pelo objeto
indireto. Exemplo:
A mim, nada me interessa.
OI
OI pleonástico
SÍNTESE – TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO
 Agente da passiva: é o termo que, na voz
passiva, pratica a ação do verbo. Em geral,
vem acompanhado da preposição por ou,
mais raramente, da preposição de.
 A prova ainda não foi corrigida pelo
professor.
SÍNTESE – TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO
 Complemento nominal: substantivos,
adjetivos e, mais raramente, advérbios que,
por terem sentido incompleto, precisam de
um complemento, um termos que os torne
mais claros:
 Agiu favoravelmente ao professor.
 Fumar é prejudicial à saúde.
 A agitação dos alunos prejudicou a aula.

similar documents