Baixar o Arquivo

Report
III Seminário Técnico de Planejamento e
Mobilidade Urbana
13 de setembro de 2012
Sistemas de Média Capacidade para
Transporte Público de Passageiros
Guilherme Medeiros
Coordenador Técnico
SC Participações e Parcerias S.A.
Sistemas de Média Capacidade para
Transporte Público de Passageiros
Capacidade maior que o ônibus convencional, e inferior à
do metrô.
Tipicamente entre 10.000 e 40.000 PHPS
Para pequenas e grandes capacidades, a seleção da
tecnologia de transporte é relativamente simples – ou
ônibus ou metrô.
A missão fica mais complicada quando o sistema
requerido é de média capacidade, devido ao grande
universo de tecnologias concorrentes disponíveis.
Universo de Tecnologias de Transporte Disponíveis - em ordem
de capacidade
Em nível – capacidade limitada
Ônibus
BRT
VLP
VLT
Universo de Tecnologias de Transporte Disponíveis - em ordem
de capacidade
Em via segregada ou elevada – maior capacidade
VLP
VLT
Monotrilho
Metrô
Comparação de capacidade transportada em uma faixa de 8 metros de largura*
(passageiros/hora/sentido)
Fonte: JICA
Obs.: Não inclui os terminais e vias de ultrapassagem
Comparação de Eficiência Energética Entre os Sistemas
0.46
Metrô
0.56
VLT
Trem
Superfície
0.61
1.05
Ônibus
2.45
Automóvel
0
0.5
1
1.5
2
Consumo de Energia (MJ/pass x km)
2.5
Custo estimado para implantação de uma linha de 10km de extensão – comparativo
Custo para implantação de 10km (R$ milhões)
18
Rodovia urbana
55
Ônibus Convencional
111
BRT
Custo (R$ milhões)
404
VLT (em nível)
Modalidade
Metrô (a)
Monotrilho (elevado) (b)
VLT (em nível) (a)
700
Monotrilho (elevado)
Custo (R$
milhões)
2000
700
404
BRT (a)
111
2000
Metrô
Ônibus
Convencional (a)
55
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
1800
2000
Rodovia urbana (c)
18
Fontes:
Lerner (a), PWC (b) e DNIT (c)
BRT – Bus Rapid Transit
Características
– Ônibus de maior capacidade
(até 270 passageiros) rodando
em vias exclusivas, com
velocidade operacional
adequada;
– Cobrança antecipada,
embarque em nível, reduzindo
o tempo de embarque nas
estações;
– Desejável aplicação de
sistemas inteligentes de
transporte (sincronização
semafórica, sistema de
informações ao usuário, etc.)
BRT em Bogotá - Colômbia
BRT – Bus Rapid Transit
Características
Vantagens
Desvantagens
-Maior capacidade que o sistema de
ônibus convencional – carros maiores e
com velocidade estável;
-As vias exclusivas ocupam duas faixas da
via, podendo causar aumento do
congestionamento;
-Menor custo operacional por passageiro,
comparado com ônibus convencional;
-Capacidade limitada a longo prazo;
-Indústria nacional capacitada para
fornecer o material rodante;
-Maior facilidade de integração com
linhas de ônibus convencional;
-Possibilidade de implantação de
melhorias progressivas no sistema
-Motores a combustão interna – menor
eficiência energética e maior poluição,
que pode ser minimizado por
combustíveis menos poluentes;
-Caso seja necessária ultrapassagem,
ocuparão 4 faixas de rolamento;
BRT – Bus Rapid Transit
Características
VLP – Veículo Leve Sobre Pneus
Características
– Características similares ao BRT,
porém com tração elétrica
– Podem ser feitas composições
com mais carros, aumentando a
capacidade;
– Pode receber trilho-guia,
automatizando a direção. Pode
ser totalmente automatizado se
for implantado em via elevada
(Automatic Guideway Transit);
– Automação pode permitir o
aumento da freqüência de
viagens (redução do “headway”),
aumentando a capacidade;
Metro Toulouse - França
VLP – Veículo Leve Sobre Pneus
Características
Vantagens
Desvantagens
-Se implantado em via elevada e com
operação automática (AGT) , maior
capacidade que o BRT
-Alto impacto visual, no caso de
implantação em vias elevadas;
-Tração elétrica sobre pneus - menor
ruído que os carros com rodas de aço e
com motores à combustão;
-Possibilidade de vencer rampas
íngremes, devido á maior aderência e
maior torque dos motores elétricos,
comparado ao motor à combustão
-Terminais e estações elevados Necessidade de implantação de maiores
infraestruturas de acesso ao passageiro
(escadas rolantes, elevadores, rampas),
aumentando o custo e dificultando o
acesso;
-Menor flexibilidade, comparado ao BRT,
mesmo no caso de via não elevada e não
automática – necessidade de eletrificação
-Não há emissão de gases, devido à tração da via;
elétrica
Um projeto brasileiro
Fura-fila  Paulistão  Expresso Tiradentes  Metrô Leve Expresso Tiradentes
Projeto de VLP planejado pela SP Trans (Pref. De São Paulo) desde 1995. Foram
implantadas apenas as vias elevadas, e atualmente opera com ônibus convencionais e
alguns veículos híbridos.
VLT – Veículo Leve Sobre Trilhos
Características
– Carros menores e mais leves que o trem,
assim como a infraestrutura;
– Geralmente com tração elétrica – há casos
com motorização a diesel;
– Podem ser feitas composições com vários
carros, aumentando a capacidade;
– Geralmente com piso baixo, facilitando o
embarque e acessibilidade;
– Trafega geralmente em nível, muitas vezes
compartilha o espaço com os automóveis;
– Algumas linhas podem passar pelas praças
e locais de grande demanda;
Metro Toulouse - França
VLT – Veículo Leve Sobre Trilhos
Características
Vantagens
Desvantagens
-Facilidade de acesso, devido ao piso
baixo;
-Velocidade limitada, por questões de
segurança, devido ao fato de transitar em
vias não segregadas;
-Boa integração com o ambiente urbano;
-Melhor performance energética que o
trem convencional - devido ao menor
peso;
-Impossibilidade de automatização
completa, quando em vias não elevadas;
-Capacidade limitada, devido aos fatores
acima;
-Não há emissão de gases, devido à tração
elétrica;
-Possibilidade de acidentes com pedestres
e veículos;
-Menor custo de implantação, comparado
com qualquer outro sistema guiado sobre -Impossibilidade de vencer rampas
trilhos ou sobre pneus;
íngremes
Monotrilho
Características
– Os mais comuns são em via elevada,
do tipo “straddle” – sobre viga de
concreto;
– Emprega tração elétrica e pneus de
borracha;
– A condução pode ser automática ou
semi-automática (com ou sem
“maquinista”);
– Estrutura de concreto geralmente
pré-fabricada, reduzindo o tempo e
custo de construção;
– Menor impacto visual urbano,
comparado com os sistemas em
plataforma;
Monotrilho Kuala Lampur - Malásia
Monotrilho
Características
Vantagens
Desvantagens
-Impacto visual reduzido, comparado com -Dificuldade de evacuação em caso de
os sistemas elevados em plataforma;
emergência;
-Maior capacidade que o VLT – velocidade -Pneu de borracha com vida útil inferior à
operacional relativamente alta;
roda metálica (250.000 km x 1.000.000km);
-Menor custo de implantação, comparado -Impacto visual pode ser intolerado em
com qualquer outro sistema em via
regiões nobres da cidade;
elevada;
-Custo de implantação maior que o BRT e
-Ruído inferior aos sistemas com trilhos
VLT em nível;
metálicos;
-Estações elevadas – maior custo e
-Possibilidade de vencer rampas íngremes dificuldade de acesso.
e curvas fechadas;
Sistemas de Média Capacidade para
Transporte Público de Passageiros
“Não há uma única tecnologia, certa ou errada,
já que tudo depende das circunstâncias
locais. Os fatores afetando a escolha
tecnológica
envolvem
investimento
(infraestrutura e custo dos terrenos), custos
operacionais, considerações de projeto e
implementação, desempenho e impactos
econômicos, sociais e ambientais.”
Fonte: Manual de BRT – Min. das Cidades
Estudos Predecessores
Indicam a necessidade de Implantação
de Sistema de Média Capacidade
Jul/2010 – PWC – Indica demanda aproximada de 10.000 PHPS
no sistema de transporte de ligação ilha-continente
Fev/2012 – JICA – Indica a necessidade de sistema de média
capacidade, prioritariamente na ligação Ilha-Continente;
Jul/2012 – Recebimento de propostas de Parceria Públicoprivadas por meio de PMI;
Estudo SDR / PROSUL – indica a viabilidade de implantação de
uma linha de BRT Palhoca-Florianópolis
Treçado Preliminar
Proposta JICA - Monotrilho
Implantação de uma linha troncal prioritária integrada com os demais sistemas, com
previsão de expansão futura.
Desenvolvimento de Um Novo Modelo
-
Realização de ampla pesquisa de mobilidade da região metropolitana
(origem-detino, preferência declarada, motivos de viagem, etc.)
-
Desenvolvimento de um Plano Diretor Metropolitano de Mobilidade,
contemplando:
Integração física e tarifária metropolitana;
Adoção de tecnologias e sistemas adequados para cada situação/região da cidade;
Planejamento Integrado com o uso do solo – o uso do solo pode ser adaptado de modo
a reduzir a geração de viagens motorizadas (uso misto do solo);
-
Educação – mudança cultural;
Estímulo à mudança no comportamento das pessoas – a mudança das soluções
individuais de
transporte é planejamento pessoal de médio e longo prazo;
E AS SOLUÇÕES DE CURTO PRAZO!!??
Muito Obrigado!
Guilherme Custódio de Medeiros
SC Participações e Parcerias S.A.
[email protected]
48 3665-3200

similar documents