Diplopoda - Dermato.med

Report
DIPLOPODA
Felipe Nazareth
Felipe Cupertino
Taissa Canedo
Serviço de Dermatologia, Curso de Graduação e Pós-Graduação HUCFF-UFRJ,
Faculdade de Medicina - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Ausência de conflito de interesse
DIPLOPODA
RELATO DO CASO
• T.M.S., sexo feminino, 52 anos, do lar, natural e residente do RJ
• Surgimento de lesão nos pododáctilos há 1 hora, com intensa dor,
prurido e ardência, após contato com inseto. O animal estava dentro do
calçado da paciente, quando houve o contato
Mácula eritemato-acastanhada mal delimitada e centro hipercromico-enegrecida
no dorso do segundo pododáctilo esquerdo, afetando também a lâmina ungueal;
lesão semelhante no primeiro pododáctilo ipsilateral
Acometimento do primeiro e segundo pododactilos
Artrópode da classe DIPLOPODA,
trazido pela própria paciente
Artrópode da classe Diplopoda,
medindo cerca de 8 cm
DIPLOPODA
DISCUSSÃO
• DIPLOPODA
– Artrópodes da classe diplopoda: “piolho-de-cobra”,
“gongolo” ou “embuás”; milipes
– Locais escuros e úmidos
– Vegetação em decomposição
– Áreas rurais e urbanas
DIPLOPODA
DISCUSSÃO
• DIPLOPODA
– Tubular, alongada e segmentada
– 2 pares de patas em cada segmento,
exceto pelos 4 primeiros e a cabeça
– Rhinocricus padbergi
DIPLOPODA
DISCUSSÃO
• DIPLOPODA
– Glândulas localizadas no dorso  benzoquinonas
– Hiperpigmentação cutânea associada a dor, prurido e ardência
– Vesículas, bolhas e até ulceração
– Acidentes oftalmológicos
DIPLOPODA
DISCUSSÃO
• DIPLOPODA
– Aspecto cianótico da lesão cutânea pode simular doenças de origem
vascular, colagenoses, crioglobulinemia e endocardite bacteriana
– Tratamento: higiene local com água e sabão ou álcool; corticoides
tópicos
DIPLOPODA
MOTIVOS DA APRESENTAÇÃO
• raridade da descrição dessas lesões
• sua importância por ter diagnóstico diferencial com doenças graves
DIPLOPODA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Lima CA, Cardoso JL, Magela A, Oliveira FG, Talhari S, Haddad V, Jr. Exogenous pigmentation in toes
feigning ischemia of the extremities: a diagnostic challenge brought by arthropods of the Diplopoda Class
(“millipedes”). An Bras Dermatol. 2010; 85:391-2.
2. Sampaio FMS, Valviesse VRGA, Lyra-da-Silva JO, Mesquita EC, Brandão LGP, Valle ACF Pain.
Hyperpigmentation of the toes: A quiz. Acta Derm Venereol. 2014;94:253-4.
3. Arab A, Zacarin GG, Fontanetti CS, Camargo-Mathias MI, Dos Santos MG, Cabrera AC. Composition of
the defensive secretion of the neotropical millipede Rhinocricus padbergi Verhoeff 1938 (Diplopoda:
Spirobolida: Rhinocricidae). Entomotropica. 2003;18:79-82.
4. De Capitani EM, Vieira RJ, Bucaretchi F, Fernandes LC, Toledo AS, Camargo AC. Human accidents
involving Rhinocripus spp., a common millipede genus observed in urban areas os Brazil. Clin Toxicol
(Phila). 2011;49:187-90.

similar documents